ler mais...
15 Agosto 2010

Ao pé daquilo em que a reality TV se transformou entretanto, a primeira edição de Big Brother era uma brincadeira de crianças. Como muito bem explicava ontem Marta Cardoso numa entrevista ao Correio da Manhã, nem ela, nem Zé Maria, nem Marco, nem Susana, nem Célia, nem Telmo – todos aqueles que, no fundo, se tornaram objecto ao mesmo tempo do nosso voyeurismo, da nossa ternura e até da nossa vergonha – tinham, no momento em que entraram para “a casa” (faz agora dez anos), a mínima ideia daquilo ao que iam.

Sabiam que as câmaras estavam presentes, sim. Imaginavam que, lá em casa, pelo menos algumas pessoas seguiriam as suas tontices. Mas não podiam supor que o programa houvesse entretanto tomado de assalto a actualidade – e, quando se punham aos abraços ou aos pontapés, aos beijos ou aos coitos silenciosos sob os edredões, faziam-no porque as suas emoções os impeliam a isso, não porque percebessem o alcance (e sobretudo as vantagens estratégicas) desses gestos.

Recuperar o Big Brother, por esta altura, tem seguramente alguma coisa de vintage. Para o bem e para o mal (sobretudo para o mal), aquele foi, provavelmente, o mais importante programa da televisão nos últimos vinte ou trinta anos – uma revolução que mudou quase tudo e que ainda hoje produz significativos efeitos. Mas recuperá-lo com novas personagens, sobretudo sabendo essas personagens o que puderam perceber entretanto, será como ouvir música dos anos 80 feita nos dias de hoje.

Soará a falso, o novo Big Brother da TVI (e chame-se ele Big Brother, Secret Story ou o que seja). Como objecto de estudo sociológico, valerá pouco mais do que zero. E, ao mesmo tempo, será muito mais inofensivo.

CRÓNICA DE TV ("Crónica TV"). Diário de Notícias, 15 de Agosto de 2010

publicado por JN às 23:31

31 Julho 2010

A morte de António Feio é lamentável. António Feio era um actor talentoso e uma personalidade ternurenta – e, numa alt...

Ler artigo
publicado por JN às 23:53

27 Julho 2010

Há uma coisa ainda mais provinciana do que seguir com excessivo deleite e comovido orgulho pátrio a carreira de Daniela...

Ler artigo
publicado por JN às 22:16

25 Julho 2010

O mais curioso, neste caso do suposto alcoolismo de José Carlos Pereira, não é a notícia em si. Nem sequer o afastamen...

Ler artigo
publicado por JN às 10:54

13 Junho 2010

Há algo de profundamente desconcertante nos comentários de Luís Gonçalves da Silva sobre o arquivamento, pela Entidade...

Ler artigo
publicado por JN às 23:52

pesquisar neste blog
 
joel neto

Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974. Publicou “O Terceiro Servo” (romance, 2000), "O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002), “Al-Jazeera, Meu Amor” (crónicas, 2003) e “José Mourinho, O Vencedor” (biografia, 2004). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista, tem trabalhado... (saber mais)
nas redes sociais

livros

"O Terceiro Servo",
ROMANCE,
Editorial Presença,
2000
saber mais...


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
saber mais...


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
saber mais...


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicaçõets Dom Quixote,
2004
saber mais...


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
saber mais...


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
saber mais...

arquivos
2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D