ler mais...
06 Maio 2010

O mínimo que se pode dizer dos relatos que o Canal Benfica faz dos jogos do clube lisboeta é que são desconcertantes. Ao longo de hora e meia, um narrador e um comentarista sentam-se com um televisor em frente e vão relatando para a câmara o que está a acontecer no campo onde joga o Benfica. Lá atrás, colocado de forma que os espectadores tenham uma ideia das imagens mas nem por isso o seja violada a exclusividade de direitos, outro ecrã está sintonizado no canal que efectivamente transmite o jogo. E, entretanto, narrador e comentarista vão descrevendo os acontecimentos em jeito de rádio local em dia de competições europeias: de forma perfeitamente amadora e gritando em delírio os golos do “Glorioso”, enquanto apenas sussurram os golos do adversário.

Se lhe chamo desconcertante, é porque não sei sequer dizer se o modelo é bom ou é mau. Quer dizer: é claramente mau. Por outro lado, é tão claramente mau que, no limite, pode ser também um interessante exercício sobre as potencialidades e as limitações da televisão, esse meio hoje tão heterogeneizado que dois terços dos seus fenómenos podem sempre ser abrigados sob o guarda-chuva do “experimentalismo”. Facto: os relatos do Canal Benfica podiam muito bem ser uma invenção de uma estação local transmitida pela Internet; e também podiam ser um programa da SIC Radical, caso em que teriam efectivamente muita graça.

De maneira que, antes de decidir, mais vale passar por lá este domingo. Se o Benfica ganhar 5-0, serão cinco as oportunidades de ver aqueles dois homens aos gritos delirantes. Se perder, então é provável que assistamos a uma sucessão de afrontamentos em directo. Em qualquer dos casos, far-se-á História.

CRÍTICA DE TV ("Crónica TV"). Diário de Notícias, 6 de Maio de 2010

publicado por JN às 23:13

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
joel neto

Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974. Publicou “O Terceiro Servo” (romance, 2000), "O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002), “Al-Jazeera, Meu Amor” (crónicas, 2003) e “José Mourinho, O Vencedor” (biografia, 2004). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista, tem trabalhado... (saber mais)
nas redes sociais

livros

"O Terceiro Servo",
ROMANCE,
Editorial Presença,
2000
saber mais...


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
saber mais...


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
saber mais...


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicaçõets Dom Quixote,
2004
saber mais...


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
saber mais...


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
saber mais...

arquivos
2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D