ler mais...
14 Abril 2010

É difícil acreditar que o novo concurso de domingo à noite da RTP1, O Cubo, dure mais do que uma temporada, no máximo duas. Espécie de Jogos Sem Fronteiras em formato high tech, o programa é efectivamente um salto em frente nos domínios da tecnologia. Mas os jogos são demasiado desinteressantes para serem verdade – e não haverá seguramente muita gente para quem o espectáculo possa manter um mínimo de interesse a partir do momento em que eles começarem a repetir-se.

Jorge Gabriel, que é de facto o mais polivalente dos actuais profissionais da RTP, faz o que pode. O cenário, embora talvez excessivamente colado àquilo que se tornou regra nos concursos de horário nobre, também não destoa. Tudo o mais, porém, é realização. Os planos são óptimos – e a possibilidade de recurso à imagem rotation 3D, tipo Matrix, formidável. A sonoplastia  é cuidada – e a ideia de destacar os suspiros dos concorrentes dentro do cubo, género filme de suspense, muito boa.

O problema é que se trata de um programa sem pessoas. Mesmo os concorrentes mais carismáticos (como se esforçou por mostrar-se o segundo participante da edição de domingo passado, um professor de inglês com sotaque algarvio) acabarão sempre esmagados pelas máquinas. E, como nos mostra a nossa já longuíssima tradição de concursos de primetime, os espectadores gostam de programas com gente dentro – gente com quem possa solidarizar-se ou divertir-se, enternecer-se ou mesmo ressentir-se.

Tecnicamente inovador, O Cubo nunca seria um desperdício: é uma experiência com que a RTP fica. Urge, no entanto, encontrar melhor utilidade para essa tecnologia. Por aqui é que não é.

CRÓNICA DE TV ("Crónica TV"). Diário de Notícias, 14 de Abril de 2010

publicado por JN às 22:52

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
joel neto

Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974. Publicou “O Terceiro Servo” (romance, 2000), "O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002), “Al-Jazeera, Meu Amor” (crónicas, 2003) e “José Mourinho, O Vencedor” (biografia, 2004). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista, tem trabalhado... (saber mais)
nas redes sociais

livros

"O Terceiro Servo",
ROMANCE,
Editorial Presença,
2000
saber mais...


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
saber mais...


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
saber mais...


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicaçõets Dom Quixote,
2004
saber mais...


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
saber mais...


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
saber mais...

arquivos
2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D