ler mais...
02 Abril 2010

A crescente obsessão com as crianças traz-nos agora Super Miúdos (RTP, de segunda a sexta, por volta das 22.00), um concurso que parece igual aos outros todos, mas na verdade é diferente. Como em todos os outros concursos de cultura geral, há perguntas. Como em todos os outros concursos de cultura geral, as possibilidades de ganhar dinheiro a sério são reduzidas. Ao contrário de todos os outros concursos de cultura geral, porém, o público em casa torce pelo fracasso dos concorrentes, no pressuposto de que, sendo os adversários crianças iguais às nossas, uma derrota de quem foi à televisão de alguma forma vinga a subalternidade de quem ficou em casa.

Pouco a dizer sobre a produção: o décor é o do costume, a realização é ágil e a apresentação de Sílvia Alberto competente (mesmo tendo em conta a precipitação de perguntas como “São casados?”, que às vezes levam os concorrentes a responder “Hããã…”). O problema é que, tal como acontece, por exemplo, quando se compara a versão  nacional de Ídolos a algumas das suas congéneres estrangeiras, os miúdos, em si, estão longe de serem “supertalentosos, superinteligentes e super-rápidos”. Só na primeira edição que tive a oportunidade de ver, ainda o programa não ia a meio e já as crianças tinham perdido cinco provas consecutivas.

Resta aos produtores, naturalmente, a ferramenta da ordem: centrar as questões no universo infanto-juvenil (como acontecia com Sabe Mais Que Um Miúdos de Dez Anos?), perguntando sobre os cantores ultra-pop, a reciclagem ou o número de vogais do alfabeto. O problema é que, a partir daí, usar a expressão “cultura geral” já não será uma demagogia, como é agora: será apenas uma mentira.

CRÍTICA DE TV ("Crónica TV"). Diário de Notícias, 2 de Abril de 2010

publicado por JN às 20:06

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
joel neto

Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974. Publicou “O Terceiro Servo” (romance, 2000), "O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002), “Al-Jazeera, Meu Amor” (crónicas, 2003) e “José Mourinho, O Vencedor” (biografia, 2004). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista, tem trabalhado... (saber mais)
nas redes sociais

livros

"O Terceiro Servo",
ROMANCE,
Editorial Presença,
2000
saber mais...


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
saber mais...


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
saber mais...


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicaçõets Dom Quixote,
2004
saber mais...


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
saber mais...


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
saber mais...

arquivos
2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D