ler mais...
19 Março 2010

A realização é irrepreensível, a fotografia magnífica e os actores excelentes. O genérico é belíssimo, a banda sonora rigorosa e os diálogos fulminantes. Então, porque é que The Pacific vai ser uma longa chatice? Precisamente porque é perfeita. Ou perfeitinha.

A avaliar pelo primeiro episódio, a nova produção de Steven Spielberg e Tom Hanks (AXN), será sobretudo a transposição para a televisão de tudo aquilo que já vimos no cinema: a camaradagem de Pearl Harbour, o desembarque de O Resgate do Soldado Ryan, a contemplação atónita de A Barreira Invisível e mesmo a humanização do inimigo de Cartas de Iwo Jima, para citar apenas alguns exemplos temáticos (e retirados em exclusivo de filmes recentes sobre a II Guerra Mundial).
Se alguma coisa distingue The Pacific daquilo de que é sucedâneo, na verdade, é a sua insistência na literatura. E, porém, é talvez nisso que a série mais claramente falha. Porque o centro de consciência da narrativa são aquelas personagens naquele momento – e fazê-las percorrer tão depressa grandes autores e grandes citações a pretexto do que estão a viver é antecipar-lhes de forma brutal uma sabedoria que só o tempo e a memória lhes trarão.
É boa televisão? Sim e não. Por um lado, uma produção desta qualidade, tecnicamente tão evoluída, engrandece o meio. Por outro, o futuro da ficção televisiva não passará pelos blockbusters, mas pelos pequenos projectos, mais ou menos experimentais, capazes de abrir novos caminhos ao género.
Pois The Pacific consagra tradições, mas simplesmente não abre um único novo caminho. Aliás: em que é ela é diferente de Band of Brothers, afinal?

CRÍTICA DE TV ("Crónica TV"). Diário de Notícias, 19 de Março de 2010

publicado por JN às 23:36

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
joel neto

Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974. Publicou “O Terceiro Servo” (romance, 2000), "O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002), “Al-Jazeera, Meu Amor” (crónicas, 2003) e “José Mourinho, O Vencedor” (biografia, 2004). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista, tem trabalhado... (saber mais)
nas redes sociais

livros

"O Terceiro Servo",
ROMANCE,
Editorial Presença,
2000
saber mais...


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
saber mais...


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
saber mais...


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicaçõets Dom Quixote,
2004
saber mais...


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
saber mais...


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
saber mais...

arquivos
2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D