ler mais...
13 Março 2010

O novo programa de Rui Sinel de Cordes, Gente da Minha Terra (SIC Radical), parece assentar como uma luva às almas mais sensíveis em busca de um choque emocional. Só na primeira edição, Rui viajou para Elvas com Bibi, escavou na areia com Luís Militão e encontrou Maddie no fundo de um convés repleto de redes de pesca. No fim, uma declaração: “Este programa é como os Jogos Paralímpicos. Todos são vencedores.” Não hão-de tardar as cartas à direcção do canal, as denúncias à ERC e as queixas ao Tribunal Europeu dos Direitos do Homem.

Para quem for capaz de rir de tudo, porém, há momentos verdadeiramente hilariantes – muito mais hilariantes do que os de qualquer um dos mais recentes programas de humor dos canais generalistas. A proposta é visitar semanalmente uma região diferente do país, satirizando as suas idiossincrasias e desmontando os seus mitos. O primeiro episódio centrou-se no Algarve – e, do Ocean Club a Zezé Camarinha, passando por Paulo China, pelo Ali Super e pela noite de Albufeira, nada escapou à fúria do protagonista. Muito menos o chamado jet set, que merece tiradas assim: “Esta Marta Leite de Castro nem deixa arrefecer a cama…”
A realização é um tanto caseira, embora tente disfarçá-lo com recurso à infografia e à matização da imagem. O ritmo não é grande coisa – e as entrevistas com personalidades locais, a avaliar por esta primeira com Zé Black, referência da noite algarvia, parece mais para queimar tempo do que qualquer outra coisa (não há nada mais deprimente do que uma pessoa sem humor a esforçar-se por parecer divertida). Mas o facto é: guilty pleasure mais guilty pleasure do que este é difícil. Como resistir-lhe?

CRÍTICA DE TV ("Crónica TV"). Diário de Notícias, 13 de Março de 2010

publicado por JN às 20:54

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
joel neto

Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974. Publicou “O Terceiro Servo” (romance, 2000), "O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002), “Al-Jazeera, Meu Amor” (crónicas, 2003) e “José Mourinho, O Vencedor” (biografia, 2004). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista, tem trabalhado... (saber mais)
nas redes sociais

livros

"O Terceiro Servo",
ROMANCE,
Editorial Presença,
2000
saber mais...


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
saber mais...


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
saber mais...


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicaçõets Dom Quixote,
2004
saber mais...


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
saber mais...


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
saber mais...

arquivos
2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D