ler mais...
04 Março 2010

Rever Os Normais (TV Globo Portugal, vários horários) é confirmar o que já antes se percebia: que nunca se fez outra coisa assim nos domínios do humor em língua portuguesa – e que, de resto, jamais a nossa televisão chegou sequer perto daquele resultado. Os dilemas são os de todos os dias, mas os diálogos são fulminantes. E os actores são magníficos, incluindo uma Fernanda Torres que transformou um corpo banal num novo paradigma de beleza e um Luiz Fernando Guimarães que, sendo um notório gay, interpreta de forma exímia a figura do machão tropical, mimado, preguiçoso e resistente ao casamento.

É difícil escrever uma sitcom, como o provam os muitos fracassos ocorridos na própria TV americana, a maior referência no género. E, porém, quando se trata de comparar Os Normais com tudo o que já se fez em Portugal, o que está em causa não é tanto a estrutura da narrativa quanto o tipo de humor. Porque também nós já produzimos coisas boas, inclusive algumas brilhantes (Herman José e Gato Fedorento à cabeça). Mas fizemo-lo sempre com recurso ao humor nonsense, nunca ao humor clássico. E este, encaremo-lo, é muito mais difícil de trabalhar. Porque não se trata de pegar no quotidiano e subverter as suas lógicas, mas de reeditá-las e, apesar disso, desconstruí-las de forma delirante.
Dizia Wittgenstein que o humor não é um estado de espírito, mas uma visão do mundo. A nossa tenta às vezes ser clássica, mas nesses casos revela-se sempre cliché, bidimensional e fundamentalmente ridícula – e só quando desata a partir cadeiras ganha um mínimo de graça. É uma limitação significativa. Quem nos disse que os portugueses eram pessoas com ironia bem nos enganou.

CRÍTICA DE TV ("Crónica TV"). Diário de Notícias, 4 de Março de 2010

publicado por JN às 23:36

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
joel neto

Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974. Publicou “O Terceiro Servo” (romance, 2000), "O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002), “Al-Jazeera, Meu Amor” (crónicas, 2003) e “José Mourinho, O Vencedor” (biografia, 2004). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista, tem trabalhado... (saber mais)
nas redes sociais

livros

"O Terceiro Servo",
ROMANCE,
Editorial Presença,
2000
saber mais...


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
saber mais...


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
saber mais...


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicaçõets Dom Quixote,
2004
saber mais...


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
saber mais...


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
saber mais...

arquivos
2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D