ler mais...
03 Março 2010

A notícia de que a RTP Açores já não vai avançar com a construção de um novo edifício, avançada pelo próprio director (Pedro Bicudo) à Comissão de Trabalhadores da estação, é apenas mais um sinal do caos que se vive em Ponta Delgada. Chegado dos EUA envolto em aura messiânica, Bicudo prometeu a Lisboa o controlo do “despesismo orçamental” da empresa e aos açorianos a construção de um edifício modelar, o reforço da ligação do canal à sociedade civil e a colocação do sinal do mesmo nos distribuidores de televisão do continente, cabo e IPTV incluídos. Ao fim de três anos, falhou em tudo: nenhum continental tem a RTP Açores em casa a não ser via parabólica; depauperada de produção e de audiências, a estação deixou de servir a coesão entre as ilhas; ninguém, nem em Lisboa nem nos próprios Açores, faz bem ideia do que se passa com as contas da empresa; e, afinal, já não haverá novo edifício ou qualquer outro reforço de meios, de condições de trabalho ou de expectativas. Entretanto, o chefe dos Serviços de Informação é agora o mesmo homem (João Soares Ferreira) que durante uma década liderou a comunicação do Governo Regional. Carlos César é a figura principal de quase todos os telejornais, com emissões em que se chegam a apresentar três e quatro peças centradas na actividade do Governo. E, quando Guilherme Costa foi às ilhas discutir o futuro da estação, em Dezembro – levando, entretanto, o nome de António Fragoso como proposta de substituto para Pedro Bicudo –, não ouviu outra coisa dos interlocutores regionais senão que, tirando uma fase inicial de desnorte, as coisas estão agora no bom caminho. Afinal, tudo está bem quando acaba bem.

CRÓNICA DE TV ("Crónica TV"). Diário de Notícias, 3 de Março de 2010

publicado por JN às 18:02

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
joel neto

Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974. Publicou “O Terceiro Servo” (romance, 2000), "O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002), “Al-Jazeera, Meu Amor” (crónicas, 2003) e “José Mourinho, O Vencedor” (biografia, 2004). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista, tem trabalhado... (saber mais)
nas redes sociais

livros

"O Terceiro Servo",
ROMANCE,
Editorial Presença,
2000
saber mais...


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
saber mais...


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
saber mais...


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicaçõets Dom Quixote,
2004
saber mais...


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
saber mais...


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
saber mais...

arquivos
2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D