ler mais...
19 Fevereiro 2010

Quando estreou em França, em 2007, Segredos (Cada Mulher Tem Um Segredo) (Suspectes: Chaque Femme A Un Secret, no original), produzida pela M6, foi quase um happening: uma importante declaração de vitalidade por parte da ficção televisiva francesa. Daí que haja algo de interessante em vê-la agora exibida diariamente na RTP1, ainda por cima num horário que, sendo late night (01:00), não deixa de torná-la acessível ainda a muita gente, até porque o padrão dos horários laborais se alterou nos últimos anos.

E, no entanto, são muitos os defeitos. A realização é relativamente ágil, a banda sonora resulta bastante bem, o ritmo funciona. Mas as actrizes são fracas, os diálogos são pobres, o dilema é demasiado batido, as personagens também – e, sobretudo, a intriga é mal gerida, lançando pistas nos momentos errados, atando nós que depois se esquece de desatar e acorrendo a demasiados clichés do género para conseguir conservar o interesse do início ao fim de um só episódio.
“Deus está nos pormenores”, diz a velha frase de van der Rohe – e o facto é que, quando se trata de ficção policial, está mesmo. Pois o que a equipa da M6 mostra aqui é que não sabe manipulá-los. Ora, por muito que nos seja agradável escutar a língua francesa na nossa televisão generalista, tão ela cheia de inglês e das suas muitas variantes, é difícil dissociar esse fracasso da tentativa de fazer “à americana”, misturando Desperate Howsewives, 24, Nip Tuck e sabe-se lá mais o quê num seriado apenas.
Mas porque é que a ficção francesa precisa de fazer “à americana”, se ainda há pouco tempo era o mais sólido e respeitado contraponto ao império audiovisual de Hollywood?

CRÍTICA DE TV ("Crónica TV"). Diário de Notícias, 19 de Fevereiro de 2010

publicado por JN às 23:26

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
joel neto

Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974. Publicou “O Terceiro Servo” (romance, 2000), "O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002), “Al-Jazeera, Meu Amor” (crónicas, 2003) e “José Mourinho, O Vencedor” (biografia, 2004). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista, tem trabalhado... (saber mais)
nas redes sociais

livros

"O Terceiro Servo",
ROMANCE,
Editorial Presença,
2000
saber mais...


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
saber mais...


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
saber mais...


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicaçõets Dom Quixote,
2004
saber mais...


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
saber mais...


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
saber mais...

arquivos
2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D