ler mais...
25 Julho 2010

O mais curioso, neste caso do suposto alcoolismo de José Carlos Pereira, não é a notícia em si. Nem sequer o afastamento prematuro do actor de Mar de Paixão (TVI). Nem mesmo o facto de José Carlos Pereira não só negar que tenha problemas com o álcool, mas também que a sua personagem na dita telenovela vá morrer mais cedo do que o previsto. É o tom em que José Carlos Pereira faz o desmentido.

Um político declamaria um discurso sisudo, mesmo ofendido – e, concluída a conferência de imprensa, ainda poria os assessores a ligar para os directores dos jornais, tentando capitalizar a falha. Um futebolista mandaria os jornalistas todos para casa da mãezinha deles, questionando inclusive o carácter da senhora – e depois lá andariam repórteres e editores a tentar resolver o problema, que isto não pode ser assim, que dependemos todos uns dos outros, que o que é preciso é paz. José Carlos Pereira, não. Confrontado numa festa, tentou fugir à questão, depois negou timidamente ter problemas com o álcool – e, finalmente, apelou ao coração dos repórteres: “Pensem lá um bocadinho: se fosse convosco, não ficavam incomodados?”

Talvez se pudesse ver aqui paternalismo. José Carlos Pereira podia achar que os jornalistas de TV são todos tontos e, portanto, precisam mesmo daquele pedido para que parem um instante a considerar o imbróglio que estão a causar-lhe. Não é o caso. José Carlos Pereira, um dos principais actores de telenovelas da sua geração, tem medo dos jornalistas. Dos directores, dos editores, dos próprios repórteres. O que talvez diga alguma coisa sobre o nosso jornalismo de TV. Mas diz de certeza sobre a nossa indústria de televisão e a sua imensa fragilidade.

CRÓNICA DE TV ("Crónica TV"). Diário de Notícias, 25 de Julho de 2010

publicado por JN às 10:54

caro Joel



Who cares?????
jorge espinha a 25 de Julho de 2010 às 20:26

pesquisar neste blog
 
joel neto

Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974. Publicou “O Terceiro Servo” (romance, 2000), "O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002), “Al-Jazeera, Meu Amor” (crónicas, 2003) e “José Mourinho, O Vencedor” (biografia, 2004). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista, tem trabalhado... (saber mais)
nas redes sociais

livros

"O Terceiro Servo",
ROMANCE,
Editorial Presença,
2000
saber mais...


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
saber mais...


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
saber mais...


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicaçõets Dom Quixote,
2004
saber mais...


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
saber mais...


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
saber mais...

arquivos
2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D