ler mais...
07 Março 2010

1. Miguel Sousa Tavares tem razão: são absurdas as queixas formais dos telespectadores sobre a forma opiniosa como o jornalista tem conduzido o seu Sinais de Fogo. Nem entrevista é notícia nem o jornalismo tem de ser todo imparcial (se é que alguma vez algum o foi em absoluto). Mas não deixa de ser curioso que, ao fim de dois programas, tudo o que se debata sobre Sinais de Fogo seja quem lá esteve, como o entrevistou MST e como se entenderam os dois protagonistas. É importante que, mais cedo ou mais tarde, se fale também do que as pessoas disseram.

2. A TVI não foi surda aos apelos e preparou melhor a transmissão da chamada “cerimónia dos Óscares” deste ano, agendando para a TVI24 um longo programa de lançamento, apresentado por Pedro Granger. Ainda não se sabe o que vai sair dali, mas é justo elogiar a humildade – e, de resto, a atenção à necessidade de potenciar o produto. Pena que, aparentemente, o directo do Kodak Theatre em si volte a decorrer segundo o velho formato, com Vítor Moura e José Vieira Mendes enfiados numa cave esconsa, sem rede ou preparação, a dizer o que lhes vem à cabeça.
3. A nomeação de Castigo Final para os Emmy Awards honra a produção portuguesa (e a da beActive em particular), mas envergonha a televisão. Há diversas áreas da aplicação da tecnologia à TV em que Portugal está verdadeiramente na frente (outro exemplo é o da IPTV, onde o Meo é um case study mundial). Infelizmente, para os directores nossos principais canais, tudo se resume às vezes a um jogo de egos e a uma luta imediatista pelas audiências, mais até do que pelo mercado publicitário. Resultado: Castigo Final passou no Brasil, mas não em Portugal. Faz sentido, isto?

CRÓNICA DE TV ("Crónica TV"). Diário de Notícias, 7 de Março de 2010

publicado por JN às 22:43

Joel, vi dois programas. Creio que os únicos (isto já é muito que fazer, escapam-se-me coisas :) e se no que o Miguel entrevistou o engenheiro o 'senti' com cautelas (foi, foi), naquele em que entrevistou o senhor Amaral foi de uma ferocidade a toda a prova!
O programa é dele e pode fazer como entender - e os entrevistados permitirem -.
Certo é que o desconforto do ex.inspector se estendeu à plateia (pelo menos à minha) -; não deu margem a que explicasse nada, não parava de o interromper com invectivas e um forte tom acusatório. Não gostei.
Como escrevi algures, eu bem me esforço por gostar dele, mas ele não deixa!
Mas hoje lá estarei, à espera do que tem para dizer.
Enquanto não amuar de vez, fico, mesmo que olhando-o de soslaio.

Margarida a 8 de Março de 2010 às 18:13

pesquisar neste blog
 
joel neto

Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974. Publicou “O Terceiro Servo” (romance, 2000), "O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002), “Al-Jazeera, Meu Amor” (crónicas, 2003) e “José Mourinho, O Vencedor” (biografia, 2004). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista, tem trabalhado... (saber mais)
nas redes sociais

livros

"O Terceiro Servo",
ROMANCE,
Editorial Presença,
2000
saber mais...


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
saber mais...


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
saber mais...


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicaçõets Dom Quixote,
2004
saber mais...


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
saber mais...


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
saber mais...

arquivos
2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D