ler mais...
08 Janeiro 2010

Tem toda a razão, o deputado Paulo Pisco: tanto a RTP Internacional como a RTP África estão ultrapassadas. A RTP Internacional, a RTP África e, aliás, a RTP Açores e a RTP Madeira. Há décadas que se convencionou que seriam assim, como são – e, quando alguém tentou que fossem de outra maneira, já não havia na casa gente, know how ou sequer paciência para mover a montanha. Resultado: esgotadas de recursos, são hoje todas, de alguma forma, uma janelinha para um certo Portugal antigo, dialogando pouco com este tempo e menos ainda com o público a que se destinam.

E o problema está na RTP1. Queira-se ou não, qualquer debate sobre o serviço público de TV terá necessariamente de ir dar a ele. É ele que enferma do equívoco original da auto-sustentação (de resto nunca conseguida) – e é ele que, sorvendo persistentemente todos os recursos da estação, verdadeiramente a afunda no pântano em tempos de crise publicitária. Tanto quanto parece a quem quer que se preocupe com este universo, a RTP deveria ter hoje cinco canais apenas: a RTP2 (incorporando o melhor da RTPN), os dois canais regionais, um só canal internacional e a RTP Memória.
Igualmente desprovida de recursos, a RTPN não se distingue o suficiente da concorrência privada. Já a RTP África simplesmente não tem sentido: a TV portuguesa não deve sentir obrigações de serviço público para com África. E todos os canais seriam francamente melhores com o dinheiro poupado com a privatização da RTP1. Eis a mudança que toda a gente sabe ser a mais sensata – e eis aquilo que levaria os portugueses a pagarem a RTP com outra bonomia. Mas quem terá algum dia coragem para atacar este problema?

CRÓNICA DE TV ("Crónica TV"). Diário de Notícias, 8 de Janeiro de 2010
 

publicado por JN às 18:31

Este post está em destaque na Homepage do SAPO, tab "TV".
jonasnuts a 9 de Janeiro de 2010 às 16:19

Parabéns, amigo, pela sua coragem. De facto a RTP é uma vergonha, eu, que já colaborei com a RTP Madeira senti na pele o quanto se sofre num centro de produção regional. Em Lisboa tem-se o maior estúdio de informação da Europa, no Funchal, Açores e afins temos material há muito tempo desactualizado, edifícios a necessitar de obras, e muita gente a precisar de reforma. Como dizia o Dr. Pinto Balsemão, numa conferência da ERC, a RTP é um dinossauro da publicidade, e a verdade é que, é uma vergonha. A nível de informação, sem dúvida que prima pela qualidade, já a nível de programação de entretenimento, e desde que o Sr. Fragoso comanda a nau, é a vergonha que se vê. Enfim, enquanto aluno de jornalismo da ESCS espero, sinceramente, poder contribuir para que se acabe com este dinossauro e que, os ilhéus tenham melhores condições de trabalho. Porque quem alimenta o dinossauro somos nós!
Parabéns!
Óscar Góis a 9 de Janeiro de 2010 às 23:42

vendedores do patrimonio patrio é o que são!! que emissora privada manteria os valores da lingua e costumes portugueses.Fora espanhois disfarçados , gentalha metida a bestas intelectuais a serviço do pseudo globalismo
fernando a 10 de Janeiro de 2010 às 13:01

pesquisar neste blog
 
joel neto

Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974. Publicou “O Terceiro Servo” (romance, 2000), "O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002), “Al-Jazeera, Meu Amor” (crónicas, 2003) e “José Mourinho, O Vencedor” (biografia, 2004). Está traduzido em Inglaterra e na Polónia, editado no Brasil e representado em antologias em Espanha, Itália e Brasil, para além de Portugal. Jornalista, tem trabalhado... (saber mais)
nas redes sociais

livros

"O Terceiro Servo",
ROMANCE,
Editorial Presença,
2000
saber mais...


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas",
CONTOS,
Editorial Presença,
2002
saber mais...


"Al-Jazeera, Meu Amor",
CRÓNICAS,
Editorial Prefácio
2003
saber mais...


"José Mourinho, O Vencedor",
BIOGRAFIA,
Publicaçõets Dom Quixote,
2004
saber mais...


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)",
CRÓNICAS,
Esfera dos Livros,
2007
saber mais...


"Crónica de Ouro
do Futebol Português",
OBRA COLECTIVA,
Círculo de Leitores,
2008
saber mais...

arquivos
2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D